O verão chegou com tudo e com ele muitas dúvidas em relação à compra do ar condicionado. Em todas as fontes, os especialistas apontam as vantagens entre um modelo e outro e as tecnologias presentes em cada um. Entre uma dica e outra, certamente você vai cruzar com o termo Inverter. Mas afinal, por que deve escolher um modelo com essa tecnologia? Ela vale realmente à pena? Sim, na ponta do lápis, vale a pena comprar um ar-condicionado inverter. Mas há outros fatores que o tornam a escolha ideal neste verão.

Veja a seguir quatro dicas:

1. Conforto

Nos modelos tradicionais a variação de temperatura no ambiente é maior, devido ao tempo de reação do compressor ser mais lento com o constante liga-desliga e, vez ou outra, ou o ambiente fica muito quente ou muito frio. No ar-condicionado inverter a sensação de conforto térmico é maior, pois o compressor estará sempre em operação atendendo a demanda do ambiente interno conforme necessidade.

2. Economia de Energia

Um ar-condicionado Inverter consome menos energia. Em relação aos modelos tradicionais chega a ser 60% mais econômico. Somando a função Eco Noite, exclusiva do modelo Springer Midea, a economia pode chegar a 74%. Na ponta do lápis, o custo de uma noite de funcionamento pode ser de menos de R$ 1 *. Além disso, o compressor inverter consegue operar com menor oscilação de temperatura o que resulta em maior vida útil do sistema. Ou seja, seu produto vai durar mais do que um tradicional, desde que observados os períodos de manutenção. *Considerando o valor de R$ 0,45 o KW/h em condições de teste de laboratório no modo Eco Noite.

3. Silêncio

Outra vantagem dos modelos inverter é o menor nível de ruído, pois além de utilizar o compressor não desligar quando a temperatura é atingida, evitando picos de consumo e desgaste ao ligar novamente após alguns minutos. Isso torna a operação mais silenciosa.

4. Sustentabilidade

Quem se preocupa com o meio ambiente pode ficar tranqüilo, pois os modelos de ar-condicionado com tecnologia inverter utilizam fluido refrigerante ecológico R-410A. Ele não agride a camada ozônio e também não é tóxico.